VAMOS DE ROSE? de alemdovinho em Além do Vinho

Primeira fotogarfia publicada no artigo VAMOS DE ROSE?VAMOS DE ROSE?
de alemdovinho publicado em Além do Vinho

Este é um dos meus preferidos. Um rose de Tavel, a única região demarcada da França autorizada a produzir somente roses.

Desta vez a escolha era minha. Pedi um rose da Provence, dos 6 que estavam ali, em princípio só eu e mais um aprovaram a escolha. Ao final somente um mantinha-se na sua posição inicial.

Motivo da mudança? Preconceito, apenas. Sejamos como crianças que brincam nos parques e não dão a mínima para aquelas que são mais pobres ou ricas, se pretas, orientais ou brancas e se têm defeito físico ou não.

Ah os roses. Tão mal amados. Para os super iniciados rose não é mistura de branco com tinto. Segundo, temos dois tipos de roses, os que nasceram para serem roses, desde a videira até a garrafa e os roses de sangria.

Os primeiros facilmente encontráveis na Europa, principalmente no sul da França, como os roses de Tavel e  Bandol entre outras regiões da França e dos países mediterrâneos. Tratam-se de uvas tintas colhidas em tempos diferentes das uvas que produzirão vinhos tintos, como a Grenache. Ao serem maceradas as cascas ficam pouco tempo em contato com o mosto, assim temos os vinhos levemente rosados, secos e de acidez, as vezes marcante.

Já os roses de sangria são em geral os roses do novo mundo ou de países sem muita expressão neste estilo de vinho. As uvas tintas quando de seu início de fermentação ao crescer o mosto, retira-se parte dele, por sangria,aumentando a sua concentração.  Bem, esta sangria mais tarde dará origem aos roses. Argentina, Brasil e Chile produzem quase 100% de seus roses por este método.

Bem as razões de se beber rose são várias.

– É um vinho extremamente adaptável à culinária, à roda de amigos e as várias situações que temos uma multiplicidade de pratos para combinar com os vinhos.

– É um vinho agradável para se beber em qualquer época do ano e em qualquer clima.

– Em termos de harmonia com os pratos é um coringa.

– Com pratos orientais é imbatível, enfrenta qualquer situação com galhardia.

– É um vinho charmoso, desde os aromas até a cor.

– Não é um vinho feminino.

– Sua variedade de cores é divina, vai desde o casca de cebola até os quase tintos, passando pelos rosas pink.

Portanto, vá à luta, perca o preconceito e experimente um bom rose.

Gostar disto:

Be the first to like this post.

Artigo original: VAMOS DE ROSE? de alemdovinho publicado [dia November 26, 2011 at 02:14AM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios