A diversidade do Languedoc-Roussillon de (autor desconhecido) em Falando sobre Vinhos

Primeira fotogarfia publicada no artigo A diversidade do Languedoc-RoussillonA diversidade do Languedoc-Roussillon
de (autor desconhecido) publicado em Falando sobre Vinhos

  O Languedoc- Roussillon é a região mais meridional da França. Isso significa ter um clima quente, na maior parte do ano ensolarado. Ao contrário da Borgonha, onde a preocupação é atingir a maturação das uvas, no Sul da França o problema é evitar que elas amadureçam demais. Mas existem alguns componentes facilitadores. A altitude é um deles. Vinhedos plantados nas regiões mais altas se beneficiam de temperaturas mais baixas, assim como aqueles que, plantados nas proximidades de oceano atlântico, gozam da brisa fresca que ameniza o calor. Embora em seus vinhos muitas vezes se perceba uma influencia do Rhone, é cada vez maior a preocupação em se expressar o terroir próprio dessa região.

   Os tintos podem variar muito o estilo. Na região de Corbières são mais concentrados e duros, de caráter selvagem. Já em Minervois, se apresentam bem mais flexíveis. As principais uvas tintas usadas são Syrah, Grenache, Carignan, Mourvèdre e Cinsault. Merlot e Malbec ganham destaque em Malepère, uma região mais ao norte e, portanto mais fresca, conferindo a estes vinhos uma maior acidez.

  A Carignan (que ainda é a uva mais plantada da França) é bastante usada nos cortes para elaboração dos tintos de Faugères e St. Chinian.

  Fitou, que obteve a primeira denominação de Languedoc em 1948, é uma antiga região produtora de Rivesaltes Vin Doux Naturels (um vinho de aperitivo, como o Porto, que toma por base a uva Grenache). Banyuls, que faz fronteira com a Espanha, faz um dos melhores Vin Doux Naturels da França, usando com freqüência a uva Grenache Noir.

Os brancos, embora representando ainda uma pequena parcela da produção total, vem ganhando destaque, principalmente pela crescente qualidade. Maccabéo, Grenache Blanc, Marsanne e Roussanne são algumas das variedades brancas cultivadas. A Bourboulen, também chamada Malvoisie e a Picpoul Blanc são uvas mais peculiares, esta última com aromas de limão e maturação bastante tardia.

Limoux, próximo a Carcassone, tem uma excelente reputação na produção de espumantes. O Blanquette é baseado na uva Mauzac, enquanto o Crémant de Limoux é feito com Chardonnay e Chenin Blanc.

Assim é o Languedoc-Roussillon, uma região capaz de dobrar as adversidades e ressurgir no panorama mundial de vinhos de qualidade. Segundo Jancis Robinson, não faltam evidência da qualidade do vinho do languedoc-Roussillon, que pode ser extraído das zonas mais propícias, geralmente em terrenos mais elevados e solos pobres; vinhos com um genuíno caráter local, um forte sotaque francês e a preços bastante atraentes.

Artigo original: A diversidade do Languedoc-Roussillon de (autor desconhecido) publicado [dia December 09, 2011 at 10:12PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios