Comitê do Champagne abrirá escritório no Brasil em 2012 de (autor desconhecido) em Conexão Francesa – JBlog – Jornal do Brasil

Primeira fotogarfia publicada no artigo Comitê do Champagne abrirá escritório no Brasil em 2012Comitê do Champagne abrirá escritório no Brasil em 2012
de (autor desconhecido) publicado em Conexão Francesa – JBlog – Jornal do Brasil

Conexão Francesa aproveitando o clima de festas entrevistou com exclusividade o diretor de Comunicação do Comitê Interprofissional dos Vinhos de Champagne, CIVC, Thibaud Le Mailloux. A entidade reúne todos os produtores da região sejam grandes negociantes (Maisons), cooperativas ou produtores independentes. O objetivo foi saber como estão analisando o Brasil hoje e seus planos para o mercado brasileiro. Descobrimos que em 2012 o CIVC abrirá oficialmente um escritório em São Paulo. O Comitê tem um orçamento anual de 20 milhões de euros e cerca de 6,5 milhões são reservados para sua promoção mundial e a defesa da denominação, isto é, só pode usar o nome Champagne o espumante produzido na região demarcada.

mailloux
O diretor do CIVC Thibaud Le Mailloux.

Conexão Francesa – Qual o futuro que o senhor vê para o mercado dos vinhos espumantes franceses e para o Champagne no Brasil.
Thibaud Le Mailloux – As informações de que dispomos mostram um mercado dos espumantes no Brasil, qualquer que seja a procedência, em expansão desde 2005. Sendo um produto de luxo o Champagne é sensível às idiossincrasias da economia e é difícil antecipar as crises financeiras e outros fatores, mas se considerarmos, de um lado, que o mercado passou de 220 mil garrafas em 1990 a 650 mil em 2000 e a quase 1 milhão em 2010, que por outro lado ele ainda é um mercado marginal comparado aos mercados maduros como Reino Unido, 35 milhões de garrafas e EUA 17 milhões, ambos em 2010, me parece razoável pensar que o mercado vai se se desenvolver nos próximos anos no Brasil.

CF – Por que a participação das “Maisons” no mercado brasileiro (97%) é tão mais forte do que globalmente (68%) ou mesmo na França (55,7%)?
TLM – Historicamente são os negociantes (Maisons de Champagne) que abriram os novos mercados porque eles dispõem de meios financeiros, marketing, a capacidade de comunicação necessário e de um grande conhecimento da complexidade das formalidades alfandegárias. Os produtores independentes chegam em um segundo momento quando os consumidores evoluem e e buscam a diversidade dos vinhos da denominação. Deve-se igualmente sublinhar que as “Maisons de Champagne” produzem 66% do volume e que este índice sobe para 80% no que concernem as exportações.

CF – Por que as outras grandes Maisons de Champagne não conseguem se impor no segmento de grande público no Brasil? O grupo LVMH detém 70% do mercado e mesmo Pernod Ricard não consegue penetrar no mercado.
TLM – Os outros negociantes vão chegar, o mercado ainda é bastante jovem. É necessário que a denominação fique conhecida. É por isto que o CIVC vai abrir um escritório do Champagne em são Paulo em 2012, com objetivo de defender e fazer conhecer a denominação Champagne junto aos profissionais e ao público brasileiro.

CF –  Qual segmento de mercado (brut sem safra, prestige,  primeiro preço,…) estaria aberto a outros produtores de Champagne que desejem entrar no mercado brasileiro?
TLM – O mercado brasileiro sofre de um nível de conhecimento baixo sobre nossa denominação. Temos inicialmente de fazer um trabalho de educação e de formação sobre a denominação que deve ser empreendido antes de entrar no detalhe das diversas qualidades.

CF – Que fatos explicam o forte crescimento do segmento de Champagnes rosados no Brasil. Uma simples tendência mundial?
TLM – É um fenômeno que acontece no mundo todo, não apenas no Brasil (Nota do Blog: O Brasil cresce acima da média mundial). O desejo pelo rosé se faz sentir há alguns anos. Esta cor antes considerada um tanto infantil no passado, agora tornou-se símbolo de alegria, festa e reforça a imagem de celebração dos vinhos de Champagne. A tal ponto que o rosé hoje representa 8,5% das exportações mundiais.

CF- Quais são os números dos vinhos de prestígio (safradas Grad Cru,…) no Brasil?
TLM – As cuvées de prestígio de Champagne representam cerca de 3% do mercado brasileiro, ficando na mesma média da exportação mundial.

CF- Qual sua previsão para as exportações de champagne para 2011 e 2012 no Bras
il?
TLM – Hoje não temos dados disponíveis que nos permitam fazer previsões, mas no primeiro semestre de 2012 o crescimento das exportações era de 20%.
CF – Santé.

Artigo original: Comitê do Champagne abrirá escritório no Brasil em 2012 de (autor desconhecido) publicado [dia December 26, 2011 at 10:06AM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios