Como driblar os rosés de baixa qualidade e encontrar bons rótulos de (autor desconhecido) em O GLOBO » Blogs » Enoteca

Primeira fotogarfia publicada no artigo Como driblar os rosés de baixa qualidade e encontrar bons rótulosComo driblar os rosés de baixa qualidade e encontrar bons rótulos
de (autor desconhecido) publicado em O GLOBO » Blogs » Enoteca

Enviado por Bruno Agostini

09.01.2012

|

18h09m

Como driblar os rosés de baixa qualidade e encontrar bons rótulos

Não, este não é o verão do rosé. Nem vamos defender a tese de que é um vinho “bom para beber à beira da piscina” ou de que não existe mais qualquer preconceito contra este estilo, leve, frutado e despretensioso. O que acontece é que tem muito vinho rosado de baixíssima qualidade, o que compromete a imagem geral da categoria. E a verdade é que poucos estão dispostos a gastar mais uns R$ 30 com essas garrafas. Porém, um bom rosé pode ser a solução perfeita para pratos complicados, como receitas ácidas e picantes de México, Tailândia e China.

Funciona tanto com um curry vermelho de camarão quanto com a clássica sopa bouillabaisse, especialmente quando o aïoli vem carregado no alho, ou uma paella. Pode ser uma boa escolha mesmo para receitas mais refinadas, como um belo escargot. Vale a pena experimentar. Um passeio pela Provence, berço de muitos dos melhores rosados do mundo, comprova a tese de que esses vinhos podem ser ótimos para a comida, e acompanham perfeitamente saladas e pratos principais com carnes de porco e aves, além de pescados em variadas preparações.

O mercado brasileiro tem rótulos bastante interessantes, que podem refrescar os comensais ao mesmo tempo em que abrilhantam uma refeição. Os melhores rosés, geralmente, são os mais clarinhos, numa linda coloração salmão, seguindo o estilo provençal, que tem entre os bons representantes disponíveis por aqui o Terra Amata Côtes de Provence 2009, do Domaine Sorin (R$ 63,75, na Decanter). Outro bom nome dessa escola, também do Sul da França, é o Delas Côtes du Rhône Saint-Spirit (por R$ 45, na Grand Cru).

Aos poucos, conforme o rosé dissipa a imagem de vinho menor, começam a surgir opções cada vez melhores, em diversos países, como Itália, Espanha, Portugal, Argentina e Brasil. Um dos campeões em termos de custo-benefício atualmente é o italiano Costaripa Rosamara (que custava R$ 79, mas está sendo vendido a R$ 39 no site da Winebrands). Outra boa pedida é o argentino Crios de Suzana Balbo Rosé de Malbec (R$ 42,69 no Pão de Açúcar).

Essa reportagem foi escrita para a edição do dia 8/1 da Revista.

 

Artigo original: Como driblar os rosés de baixa qualidade e encontrar bons rótulos de (autor desconhecido) publicado [dia January 09, 2012 at 09:09PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios