Vale do Loire: Parte II de vinhosemsegredo em Vinho Sem Segredo

Primeira fotogarfia publicada no artigo Vale do Loire: Parte IIVale do Loire: Parte II
de vinhosemsegredo publicado em Vinho Sem Segredo

Continuando nossa viagem pelo Loire, após passar por Pays Nantais no extremo oeste da região, caminhamos um pouco adentro no continente, chegando ao berço espiritual da temperamental casta Chenin Blanc, a sub-região de Anjou-Saumur.

Anjou-Saumur: Dê um zoom no mapa acima

Nesta sub-região ainda temos boa influência do Atlântico, trazendo ventos e umidade. Nos solos argilosos em Anjou predominam o xisto e a ardósia, favorecendo o cultivo da Chenin Blanc, também conhecida como Pineau de la Loire. Nas apelações como Coteaux du Layon, Bonnezeaux e Quarts de Chaume, os vinhos costumam ser intensamente doces, mas muito bem equilibrados por uma incrível acidez. São vinhos delicados, longevos e nos melhores anos, elaborados com uvas atacadas pela Botrytis Cinerea. Coteaux du Layon é uma apelação mais extensa e seus vinhos não costumam ser tão doces, mas a acidez é marcante. A alternância de umidade e calor nestas apelações favorecem sobremaneira a boa atuação do abençoado fungo. O rótulo abaixo da Domaine Baumard é importado pela Mistral (http://www.mistral.com.br)

Baumard: Referência nesta apelação

O estilo seco e mineral da Chenin Blanc fica por conta da apelação Savennières com vinhos bastante longevos. Duas apelações próprias destacam-se como verdadeiros Grands Crus da região: Coulée de Serrant e Roche-aux-Moines. Principalmente a primeira, propriedade do pai da biodinâmica, Nicolas Joly, é a perfeição do estilo seco em Chenin Blanc. Extremamente longevo, este é um dos poucos brancos que deve ser obrigatoriamente decantado. O estupendo Coulée de Serrant é importado pela Casa do Porto (http://www.casadoportovinhos.com.br).

Quanto aos tintos, apelações como Anjou, Anjou Villages, Rosé d´Anjou e Cabernet d´Anjou para os rosés, não apresentam grandes atrativos, com vinhos leves e na maioria, sem grandes predicados. As castas Gamay (a mesma do Beaujolais),  Cabernet Franc e um pouco de Cabernet Sauvignon são cultivadas na região. Contudo, os melhores tintos estão em Saumur, assunto do nosso próximo artigo.

Share this:

Like this:

Be the first to like this post.

Artigo original: Vale do Loire: Parte II de vinhosemsegredo publicado [dia January 16, 2012 at 01:00PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios