MAPA DO VINHO – PARTE XXIV – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE D’OR E SEUS SEGREDOS de alemdovinho em Além do Vinho

Primeira fotogarfia publicada no artigo MAPA DO VINHO – PARTE XXIV – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE D’OR E SEUS SEGREDOSMAPA DO VINHO – PARTE XXIV – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE D’OR E SEUS SEGREDOS
de alemdovinho publicado em Além do Vinho

Calma, antes de sair para conhecer os vinhedos da Côte D’Or como este ao redor do Chateau Du Pommard é importante algumas informações sobre esta área da Borgonha que, desde 1300 é considerada especial para história mundial do vinho.

HISTÓRIA: A Borgonha, pela sua proximidade com a capital sempre esteve envolvida com o Poder da época. E falar em Poder desde os anos de 900 até a Revolução Francesa é falar da Igreja Católica e da Monarquia Francesa, aí incluindo os Monges Cistercieneses, GRANDES ENÓLOGOS DA ÉPOCA E ORDEM RELIGIOSA DE DOM PÉRGINON, O MONGE QUE VIU ESTRELAS NAS BOLINHAS DE SUA CHAMPAGNE, e  a família real e os Ducados. Após com os Monges, suas Abadias e Mosteiros eram um porto seguro a vida dramática de quem estava fora dos burgos e da proteção da nobreza. Ali estava a chave da gastronomia e o desenvolvimento dos vinhedos e técnicas de produção.Os primeiros Mosteiros datam do ano de 900 e 1098, em Cluny e Cister (daí o nome da Ordem Cisterciense), respectivamente. Após vieram os Poderosos Duques da Borgonha cujo reinado se estendia até Flandres (Bélgica e Holanda). Sucessivas guerras enfraqueceram o seu Poder, em 1415 houve a famosa Batalha de Agincourt onde foram derrotados por Henrique V dando início ao reinado compartilhado. O Ducado indo até a Holanda e a divisão do reinado com os ingleses explicam as rotas internacionais de escoamento do vinho da Borgonha, Inglaterra e Holanda sempre disputaram a primazia do comércio internacional marítimo neste período. Com a Revolução Francesa e a derrocada da Monarquia toda área que estava na mão de poucos nobres espalharam-se pela linhagem da família, isto explica porque há tantas propriedades em tão pouco espaço. Há, inclusive, linhas de vinhedos que são divididos entre diferentes proprietários.

GEOGRAFIA: Côte D’Or tem 50 quilômetros de extensão e 2 de largura, portanto é um pequena linha de terra onde estão concentrados míticos produtores e seus vinhos. Aqui centímetro faz diferença.

 

O solo normalmente apresenta-se em camadas de vários tipos, ferroso, argiloso, calcário e assim vai, mas aqui há o GRANDE CHARME DA CÔTE D’OR QUE SÃO SUAS SUAVES COLINAS, NELAS, POR UMA RAZÃO GEOLÓGICA AS CAMADA SE APRESENTAM EM PATAMARES E ESTA CARACTERÍSTICA DEFINE SE QUE VINHO SERÁ. Vejam a figura ao lado retirado do site oficial da Borgonha. A figura voltará no próximo post de uma maneira mais clara.

TERROIR: Por terroir entende-se o conjunto de fatores climáticos, solos e orientação solar que influenciam dramaticamente no desenvolvimento da vinha. Palavra hoje um pouco surrada pela utilização desmedida como item de marketing. Não se pode colocar no rótulo dos vinhos: MELHOR TERROIR para tal uva num vinho de R$ 20,00. Há que entender o terroir como sendo algo muito importante para o desenvolvimento de uma planta E QUE DEMANDA ESTUDO E MAIS ESTUDO ALÉM DE MUITO DINHEIRO ENVOLVIDO. TERROIR NA BORGONHA NÃO É BRINCADEIRA E SIM SERIEDADE MÁXIMA. Informe-se com quem lida com plantas que ele dirá que uma rosa, por exemplo, vai bem numa série de terrenos e climas, MAS EM TAL TERRENO, CLIMA E SOL irá desenvolver sua máxima expressão. Com o vinho é igual e quem desenvolveu a perfeição o terroir de Côte D’Or foram os Monges, os enólogos da idade média. Aqui cada casta tem seu lugar definido há séculos e estes lugares defnem a qualidade e preço do vinho. VOU REPETIR, AQUI CENTÍMETRO FAZ DIFERENÇA.

UVAS: Na Côte D’Or Haviam três castas, duas tintas a Pinot Noir e a Gamay e a Chardonnay. Com o tempo e o estudo do terroir os Monges viram que a Pinot produziam pérolas e a Gamy nem tanto, esta segunda era mais usada para os vinhos mais populares, assim foi banida da região e passou a ser plantada mais ai sul da Borgonha, de onde nos trazem os amáveis Beaujolais. A Chardonnay, desde sempre alcançou sua expressão máxima em Chassagne-Montrachet e em Chablis.

Me desculpem este post fugiu das minhas características de escrever pouco, mas aqui não tive alternativa.

Nos próximos posts tentarei desvendar cada micro-região da Côte D’Or.

Gostar disto:

Be the first to like this .

Artigo original: MAPA DO VINHO – PARTE XXIV – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE D’OR E SEUS SEGREDOS de alemdovinho publicado [dia February 21, 2012 at 02:43PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios