MAPA DO VINHO – PARTE XXXI – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE DE NUITS de alemdovinho em Além do Vinho

Primeira fotogarfia publicada no artigo MAPA DO VINHO – PARTE XXXI – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE DE NUITSMAPA DO VINHO – PARTE XXXI – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE DE NUITS
de alemdovinho publicado em Além do Vinho

A Côte de Nuits, pequena faixa de terra com 25 quilômetros de extensão e um quilômetro de largura, seguramente, após mais de 100o anos de estudos por parte dos Monges, é o terroir perfeito para a manhosa Pinot Noir.

As portas da Côte de Nuits, a chamada parte norte da Côte D’Or, estão abertas. Château como este são tradicionais na região. Aqui inicia o reino da Pinot Noir.

Terroir, palavra tão gasta pela mídia, aqui aparece com todo o seu esplendor. Centímetro faz diferença. As áreas nobres para os Gran Cru muita vezes terminam meio metro para cá ou para lá. Certamente não foi numa noite de insônia que estas áreas foram demarcadas, mas sim após séculos de estudos sobre o terroir adequado.

Falar em Pinot Noir aqui é falar de vinhos mágicos, vinhos que certamente ficam na memória de quem os aprecia. E dificultam gostar de outros vinhos por um bom tempo.

Sei que o mundo produz de bons a excelentes Pinot Noir, desde os EUA (Oregon) até Nova Zelândia (Central Otago) passando pelo Chile (Casablanca) a Portugal (Bairrada).

MAS EM COMPARAÇÃO COM OS GRANDES DE CÔTE DE NUITS SÓ O NOME PINOT NOIR É IGUAL. Não há meio de comparação.

Deve-se este fato ao clima, ao trabalho secular dos Monges e depois dos proprietários dos vinhedos da região, mas principalmente ao terroir, absolutamente perfeito para esta uva. Daí saem vinhos únicos e como disse o Paulo Queiroz (nossovinho) perfeitos para namorar. São vinhos equilibrados, elegantes,as vezes macios, as vezes robustos, perfumados e absolutamente ímpares.

O clima continental de inverno forte e verão quente e seco são ideias para a uva Pinot Noir, quando o clima não está de mau humor. Devemos pensar que os vinhedos da Côte de Nuits são os mais ao norte para vinhos tintos no mundo. Sabe-se que a Pinot Noir gosta de climas frios, ocorre que aqui as vezes há granizos fora de hora, geadas na primavera, enfim, o clima câmbia e as colheitas também. ASSIM É IMPORTANTE VERIFICAR A SAFRA DO PINOT NOIR ADQUIRIDO OU COMPRÁ-LO DE UM IMPORTADOR SÉRIO PARA EVITAR SURPRESAS.

O solo é um verdadeiro mosaico, modificando muito, como digo aqui metro faz diferença na medida em que o solo influencia e muito na qualidade do produto final e define, categoricamente, qual tipo de Pinot será produzido, desde os Village até os Gran Cru.

Aqui como na Côte de Beaune, os melhores solos, os de calcário, estão nas encostas dos morros numa altura média de 150 a 250 metros de altura, portanto os mais altos em geral são os melhores, descendo o morro encontramos os Premier Cru e abaixo os Village.

As principais sub-regiões que veremos com mais calma são   Gevrey-Chambertin  Morey St Denis, Chambolle-Musigny, Vougeot, Vosne-Romanée, Flagey-Échézeaux, Nuits St-Georges e Fixin.

E não esqueçam a Côte de Nuits também produz excepcionais Chardonnay.

O vídeo vale a pena ser visto.

Gostar disto:

Be the first to like this .

Artigo original: MAPA DO VINHO – PARTE XXXI – FRANÇA – BORGONHA – CÔTE DE NUITS de alemdovinho publicado [dia February 22, 2012 at 11:25AM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios