As crianças da Borgonha e o Sommelier Japonês de Karen Ferrari em Laboratório de Sommelier

Primeira fotogarfia publicada no artigo As crianças da Borgonha e o Sommelier JaponêsAs crianças da Borgonha e o Sommelier Japonês
de Karen Ferrari publicado em Laboratório de Sommelier

Ando conversando bastante com produtores de vinho Franceses. E nessas conversas tem uma coisa me chamou muito a atenção. 

Normalmente nesses encontros, depois de praticar o francês enferrujado, conhecer os produtos que sempre estão acompanhados de uma bela história sobre a família ou sobre o terroir, vem as “médailles”. Uma pasta de papel de carta com todas as matérias já publicadas no mundo inteiro falando sobre a premiação dos vinhos. 

Dentre todas as premiações (todo mundo quer brincar de julgar no mundo todo), sempre que Shinya Tasaki aparece com sua recomendação, os produtores o reverenciam, apontam a reportagem e reforçam: um dos melhores sommeliers do mundo. 

Isso é o que a acontece quando o Velho mundo do vinho encontra o Velho mundo do chá e finalmente estabelecem uma comunicação.  

Há muita beleza nessas duas culturas que cultuam o belo, cada uma ao seu modo. 

Adorei conhecer o jogo das crianças de Bordeaux lançado em abril. Trata-se de um programa da região criado para se propagar o conhecimento do vinho. Assim as crianças desde cedo entram em contato com a linguagem do vinho e têm condições de perpetuá-la.

Adorei também o depoimento de Shinya. Apesar de estratégico, para conversar com o ocidente de forma bastante comercial, deixa vazar essa linda estética japonesa. Estética visual, estética de palavras, estética de serenidade. A cultura japonesa tem uma sintonia fina com essa atitude contemplativa, que se adapta muito bem a degustar vinhos.

Nem preciso dizer que o mercado de exportação mais representativo para grande parte desses pequenos produtores franceses é a Ásia.

Moral da história: enquanto um amigo meu tomou uma Taittinger (Champagne) em um restaurante no Vietnan à um preço pagável, nosso país tenta distanciar os vinhos ao máximo dos seus consumidores. O nosso país dificulta a passagem e cobra um pedágio vergonhoso.

Parabéns para os japoneses e franceses que aprenderam a se admirar e a se respeitar.



Artigo original: As crianças da Borgonha e o Sommelier Japonês de Karen Ferrari publicado [dia May 16, 2012 at 05:27PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios