O QUE EU NUNCA SOUBE SOBRE CHAMPANHE de Jessica Cruz em 7 Minutos de Vinho

Primeira fotogarfia publicada no artigo O QUE EU NUNCA SOUBE SOBRE CHAMPANHEO QUE EU NUNCA SOUBE SOBRE CHAMPANHE
de Jessica Cruz publicado em 7 Minutos de Vinho

Vou aprender lendo esse artigo:

  1. A diferença de Champanhe e Espumante;
  2. Produção de Espumantes no Brasil;
  3. Dica de harmonização.
Primeiro artigo do 7 Minutos de Vinho! 

E para celebrar esse momento, que tal falarmos de Champanhe, a bebida perfeita para comemorações?! Mas daí você pode pensar: – Esse blog não iria focar em vinhos de uma maneira mais descontraída, sem pompa? E vai começar logo por Champanhe, uma bebida tão sofisticada? E eu lhe digo que sim, o Champanhe pode até ser considerado a bebida dos mais afortunados, mas vinhos semelhantes ao Champanhe, que são conhecidos como Espumantes estão sendo produzidos no mundo todo com uma ótima qualidade, e você pode achar marcas nacionais por preços mais acessíveis!

Primeiro de tudo. Não se diz Champanhe francês! Todo Champanhe é francês! Champanhe é uma região do norte da França e todo Espumante que vier de lá, e somente de lá, pode ser chamado de Champanhe, fora daquela região é chamado de vinho Espumante.
No Brasil algumas vinícolas já produzem vinhos Espumantes da mesma maneira que são feitos os Champanhes, e adivinhe?! Estão se saindo muito bem. Claro que nada se compara ao original, mas é um orgulho termos vinhos nacionais de alta qualidade. A produção da bebida em terras tupiniquins cresceu consideravelmente nos últimos tempos, com um aumento de 40% no ano de 2009 de acordo com o Guia Quatro Rodas – Guia de Vinhos Vol. 5. E tem se tornado a menina dos olhos dos vinhos nacionais.

Tá! Tudo bem! Bacana saber disso, mas daí você se pergunta: Eu não tomo Espumante. Em que ocasião tomá-lo e com o que?

Resposta: Tome sempre que tiver vontade! Napoleão Bonaparte, Imperador Francês no século XIX era fã da bebida e dizia: “Não posso viver sem Champanhe. Na vitória eu o mereço, na derrota, preciso dele”.

Mas se a sua intenção é servir a bebida com alguns comes, o Champanhe ou Espumante quando bem harmonizados podem acompanhar toda a refeição, da entrada à sobremesa. Espumantes secos vão bem com peixes defumados. Se estiver servindo coelho ou aves mais nobres, um Espumante Rosê mais encorpado é uma pedida. Porém se quiser servir com a sobremesa pense sempre num Espumante Doce, senão a bebida tende a ficar muito amarga.

E quando eu sei se o Espumante é doce ou seco? Se no rótulo você identificar a palavra “Brut” significa seco. Já “Sec”, quase seco. “Demi-sec”, significa meio-doce.

Para finalizarmos, fiz uma pesquisa de preço para quem quer começar a se aventurar no mundo dos vinhos pelos Espumantes ou Champanhes. Marcas nacionais e de qualidade podem ser encontradas à partir de R$ 21,00, como é o caso da Garibaldi Premium Brut.

Minha sugestão é o Miolo Cuvée Tradition Brut, da Miolo, e custa cerca de R$ 30,00.

Agora, para quem quer iniciar pela bebida-mãe, Bollinger, o Champanhe mais tomado por James Bond, irá gastar cerca de R$ 300,00. 

Uma opção um pouco mais barata, é o Moet Chandon Brut Imperial, pode custar à partir de R$ 155,00.
Agora que você já sabe a diferença entre Vinho Espumante e Champanhe, escolha a sua garrafa e surpreenda-se!

Divirta-se!

Artigo original: O QUE EU NUNCA SOUBE SOBRE CHAMPANHE de Jessica Cruz publicado [dia May 01, 2012 at 02:51PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios