Não é champanhe, mas é francês! de Érika Mesquita em Bem Vinho

Primeira fotogarfia publicada no artigo Não é champanhe, mas é francês!Não é champanhe, mas é francês!
de Érika Mesquita publicado em Bem Vinho

O vinho espumante mais importante do mundo é o champanhe, que ao longo da história está ligado a muito charme e elegância, mas também a guerras e à política. Boa parte desses fatos podem ser conhecidos em dois ótimos livros do casal Don e Petie Kladstrup: “Vinho & Guerra – os franceses, os nazistas e a batalha pelo maior tesouro da França” e “Champanhe – como o mais sofisticado dos vinhos venceu a guerra e os tempos difíceis”, publicados pela editora Jorge Zahar.

Mas, para ser considerado um champanhe o espumante deve ser elaborado na região francesa de Champagne e elaborado pelo método tradicional (champenoise) a partir das uvas Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier. Embora esse vinho já existisse desde a Idade Média a região foi demarcada apenas em 1927.

Esses vinhos chegam ao Brasil numa faixa de preços mais alta para a média do consumidor brasileiro. São raros os champanhe abaixo de R$ 200. Então, uma alternativa interessante é procurar por outros franceses menos conhecidos, que não podem ser chamados de champanhe, mas que entregam uma boa qualidade também a partir dos R$60. Eles são divididos em dois grandes grupos:

  • Vin Mousseux – traduzindo livremente quer dizer “vinho espumante”. Pode ser elaborado com uvas de diversas regiões, tanto pelo método tradicional (champenoise) quanto pelo método Charmat, com segunda fermentação em cubas de aço inoxidável.

– Crémant – são mais fáceis de serem encontrados no mercado brasileiro. São assim chamados apenas os espumantes elaborados pelo método tradicional (champenoise), com segunda fermentação na própria garrafa. Resumindo, se igualam aos champanhe em termos de método de elaboração, são produzidos em outras regiões do país e também ganham a classificação Apellation d’Origine Contrôlée (AOC).
Esses espumantes são elaborados em algumas regiões que são importantes produtoras de vinhos tranquilos (brancos e tintos) e levam esses nomes na designação. Eis algumas das mais importantes:

– AOC Crémant d’Alsace – a elegância e fineza dos brancos da Alsácia são repetidos em seus espumantes.

  • AOC Crémant de Bourgogne – denominação criada em 1975.
  • AOC Crémant de Limoux – região criada em 1990, mas para alguns produz espumantes antes mesmo de Champagne.
  • AOC Crémant de Loire – região também criada em 1975.
  • AOC Crémant de Bordeaux – criada em 1990 é uma pequena AOC, cobrindo apenas 100 hectares.

Tim-tim!

Artigo original: Não é champanhe, mas é francês! de Érika Mesquita publicado [dia July 08, 2012 at 11:14AM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios