A Borgonha e seus vinhos 3 de Bacco´s em Oficial

Primeira fotogarfia publicada no artigo A Borgonha e seus vinhos 3A Borgonha e seus vinhos 3
de Bacco´s publicado em Oficial

Continuando nossa viagem por mais alguns quilômetros, encontra-se Morey-Saint-Denis com seus 800 habitantes, uma pequenina comuna ocupando cerca de 100 hectares e de expressão vitivinícola menor do que Gevrey-Chambertin e Chambolle-Musigny, seus vizinhos ao norte e ao sul. Na verdade tem sido prejudicada pelo enorme prestígio destes, e seus vinhos de excelente qualidade são menos conhecidos. Não há uma razão plausível para isto. Os Grands Crus de Morey são magníficos, e dignos da linha de frente da Borgonha.

Deixando-se Morey-Saint-Denis, a próxima vila é Chambolle-Musigny. Produzindo um dos mais femininos, finos e elegantes vinhos da Côte d’Or, a vila é de uma graciosidade ímpar, com suas ruelas estreitas e sinuosas emolduradas por antigas edificações, valendo em tudo por tudo ser visitada. O nome do vinhedo Les Musigny por si só já a coloca no alto pedestal dos grandes centros produtores da Borgonha.

Após uma curta distância percorrida avista-se Vougeot, com seu imponente château e seus magníficos vinhedos que são um dos símbolos da Borgonha. Aqui está sediada a mais prestigiada e conceituada confraria de amantes do vinho em toda a França, a Confrérie des Chevaliers du Tastevin, atual proprietária do Château Clos de Vougeot, implantado bem no centro do enorme vinhedo Clos de Vougeot.

Vosne-Romanée é a próxima vila após Vougeot, abrigando os mais famosos Grands Crus da Borgonha, destacando-se de longe o Romanée-Conti, um dos mais caros vinhos que o dinheiro pode comprar. Os Grands Crus La Tâche, Richebourg, Romanée-Saint-Vivant, La Grande Rue, La Romanée, Echézeaux e Grands-Echézeaux refletem a expressão mais significativa da vitivinicultura borgonhesa, tanto por sua elevadíssima qualidade quanto por suas tradições e história.

Finalmente, deixando-se Vosne-Romanée chega-se a Nuits-Saint-Georges, a mais extensa comuna da Côte d’Or. Esta é sede de inúmeras empresas representantes e comerciantes de vinhos, e também sede de dezenas de empresas produtoras. Apesar de ser a mais importante cidade da Côte de Nuits, não oferece nenhum atrativo turístico para os visitantes, e curiosamente não possui nenhum vinhedo classificado como Grand Cru, apesar de emprestar o seu nome à toda região. Depois da visita a Nuits-Saint-Georges, caminha-se para a divisa com a Côte de Beaune, após se passar por Prémeaux e Corgoloin, últimas vilas de Nuits-Saint-Georges.

Artigo original: A Borgonha e seus vinhos 3 de Bacco´s publicado [dia July 27, 2012 at 01:43PM] em .

Republicado por Eno Gastronomo

Anúncios